quinta-feira, 17 de maio de 2012

Filmes Perdidos XX - Sangue Sobre a Neve

Nicholas Ray tem pelo menos dois filmes que o garantem nas antologias: Juventude Transviada e Johnny Guitar.
Na sua filmografia, há ainda espaço para uma obra curiosa, embora pouco conhecida atualmente.
Sangue Sobre a Neve(The Savage Innocents) já é uma produção cinquentona e paga o preço de seu envelhecimento. Nicholas Ray errou a mão em muitos aspectos, mas conseguiu um resultado final que ainda recompensa o espectador.
O principal equívoco de Sangue Sobre a Neve é o hibridismo que permeia o filme.
Na parte inicial, a ideia é de que se está diante de um documentário. Mas um documentário com a linguagem da época em que é realizado: narrador em off, flagrantes da vida real devidamente ensaiados, caricaturização dos costumes dos povos “exóticos”, atores fazendo as vezes do grupo étnico investigado.
É nesse conjunto de procedimentos que se desenvolve o retrato da vida dos esquimós, especialmente a de Inuk (Anthony Quinn).
Na segunda parte, Sangue Sobre a Neve se transforma em drama e Inuk passa a ser um fugitivo.
A reviravolta se deve ao assassinato cometido por Inuk. Ele mata um missionário, pois se sente ofendido por este não aceitar a oferta que o costume esquimó julgava normal: a esposa do anfitrião.
É quando surge a parte mais interessante do enredo: o conflito entre padrões culturais diferentes e a forma de julgá-lo.
A incompreensão recíproca entre brancos e esquimós fez de Sangue Sobre a Neve constante objeto de citação em discussões acerca de padrões culturais, linguísticos e jurídicos.
Atualmente é difícil encontrar quem conheça o filme. O rareamento das reflexões se soma à dificuldade de encontrá-lo e à falta de ânimo para enfrentar a primeira parte da produção.
Para quem vencer a “ficção documental” e aceitar certos despropósitos como Peter O´Toole sendo dublado e uma atriz japonesa (Yoko Tani) interpretando a mulher de Inuk, a atuação de Anthony Quinn poderá servir como pagamento.
Bob Dylan gostou tanto que compôs Quinn The Eskimo.





Nenhum comentário: